sábado, 25 de julho de 2015

I miss him só much...

terça-feira, 14 de julho de 2015

me agarro nas coisas pequenas que sempre me agarrei,
agora sozinha,
me agarro no seu agasalho, na hora de dormir
me agarro naquele beijo que você resistiu em me dar, de graça
me agarro na inconsequência dos meus atos
na esperança de conseguir dormir sem pensar
em quem?

Mais um dia.
Infelizmente ou felizmente hoje eu acordei.
Acordei de sonhos de mar e flores, onde ele não estava.

(Acontece que em todo o estado de consciência em que me encontro sã, ele está, como um plano de fundo, de forma abstrata, não existe o não pensar nele pois ele é o Sol. O Sol ou brilha pela janela ou escurece o quarto, logo, nota-se sua ausência e presença: o tempo todo)

Eis que durmo: ele é o último pensamento
Eis que sonho: ele, se não está ali, me faz questionar onde encontra-se
Eis que acordo: um balde de água fria no meu corpo quente, continua doendo e eu?

Eu não aguento mais.

14/07/15

Hoje sonhei coisas maravilhosas, sonhei com gente que me ama e me quer bem, minhas amizades, criadas no sonho com laços mais profundos. Não consigo apesar do frescor, me lembrar de todas as partes que gostaria de descrever aqui para mim, para que eu não me esqueça quanto sou feliz...

Com o pesar dos meus pés e do meu corpo numa ladeira subia um campo esverdeado de flores onde o sol batia amarelo claro, podia diferenciar seus raios, "corre!", " e pra que eu vou correr?", e ele corria! Ignorei o peso da vida e corri, acho que nunca me senti tão feliz... Entre margaridas brancas e rosadas sob o Sol, Fernão carregava uma bicicleta e a cidade ficava pra trás e eu corria ladeira acima entre as flores e cantava algo que não lembro...

domingo, 12 de julho de 2015

It was like a dream.

His lips again, into mine.
Today I will sleep in the shape of his body.
It felt like forever.
I know he's the one.

quarta-feira, 8 de julho de 2015

As escovas de dentes

Há quase três semanas você me deixou.
Há quase duas você não dorme mais aqui.

Hoje sonhei com você (de novo), que estávamos bem, terminados, mas agora sem ódio, sem rancor, bem. E você dizia algo sobre ficar! por mim tudo bem: não me desfiz de suas roupas, suas meias, suas coisas. Tudo bem! Você pode dormir aqui, eu ainda guardo no espelho do banheiro a sua escova de dentes, ainda do lado da minha, vou preparar a cama, pra que a gente possa dormir.

baby era minha vida, o meu sol, a luz dos meus dias.
baby era a fonte de energia do meu ser e fonte de água da minha sede de viver.
baby era tudo e nada faz/fazia? sentido sem o calor da pele dele.
baby era tudo o que eu queria e tudo o que eu agora desprezo.

"for every piece of me that wants you, another piece backs away"

baby eu penso em você
e eu te esqueço cada vez mais
com mais força e mais ódio

baby eu precisava de você
e agora eu preciso que você ex-plo-da.

anjo, minha vida, ex vida
eu te queria/quero? tanto
não faz sentido te ter perto
ainda machuca ter-te longe
tão longe

eu não me lembro, meu amor
nada eu não me lembro de nada
não lembro como era
não lembro como foi
não lembro de nada

não sei o que é este pequeno fragmento tóxico que restou no meu peito, e que insiste em doer
não sei se é amor, se era paixão, se o que ficou foi o vício.

Acho que foi, o vício.
Quase certa que sim.
EU SOU VICIADA EM VOCÊ
EU PRECISO DE VOCÊ E EU TE ODEIO.

EU TE ODEIO
EU TE ODEIO
EU TE ODEIO
EU TE ODEIO
EU TE ODEIO
EU TE ODEIO
EU TE ODEIO
e eu preciso de você.
eu vou te amar pra sempre, e sempre, e sempre, e sempre, e sempre, e sempre, e sempre.

sempre que eu me lembrar.
eu quero te guardar em minhas gavetas, e esquecer, também pra sempre.

segunda-feira, 6 de julho de 2015

eu gosto de você,
mais que esperava,
(até que eu queria, sim)
das suas mãos
da sua risada;
gosto da sua pele branquinha
e de suas castanhas pintinhas
do seus ombros
do seu corpo.
não me segure nem me amarre
nas correntes
ou nos anéis
que não quero ficar!
não quero ficar
você espera,
sua eu já sou, tenho sido
sua!
só não me fixa
que eu nasci pra ser mais que isso
(acho, acho que nasci sim)


P.S. 04-0-2016: Primeiro texto sobre Felipe Augusto.

segunda-feira, 29 de junho de 2015

"And friends, well I could have better ones" neither.

A mancha no vidro

Havia uma mancha, no vidro do meu óculos. E  eu não sabia que era mancha. Eu via tudo, o mundo, tão lindo!, e a mancha no vidro do meu óculos me acompanhava e eu pensava: "minha eterna companheira, aonde quer que eu vá, em todas as paisagens este ponto está!", acompanhada e feliz pensei ver melhor!, tola. Sem querer um dia, os óculos eu tirei, a manchinha me deixou! Numa tristeza grande mergulhei, parei de ver, olhar, perceber, não quis, estava deprimida demais, meu ponto fixo me deixara! O porto seguro! Sempre ali... Um dia, de inocente acordei e vi, quanto a mancha me escondeu, quanto não vi por ela estar ali, detalhes que deixei passar! Descobri que minha paisagem era mancha que ofuscava a vida por fora do vidro do óculos, descobri que estava enganada por tanto tempo! Sofri mais um pouco. Findado o sofrer passei a perceber. Estava livre, estou livre. Agora posso ver.
eu precisava dele aqui, precisava que ele tivesse vindo, ele não veio.
se você estivesse calaria o barulho da rua que me acorda,
e eu preciso dormir.


"Quando eu não quiser mais te ver
é só deixar por você"

Figuras da praça I

O homem da cachaça

O homem da cachaça
na rua da praça
está sempre bêbado,
com sua bicicleta
e seus vidrinhos...

A bússola

Eu tenho uma bússola no meu estojo de lata
quando eu o abro ela está lá, rodando, rodando...
Seus pequenos ponteirinhos roubados!

Se eu estiver triste ou feliz

Amor não é assim!

O meu amor tão puro
agora tão tóxico
Quando chega ao fim!

Antes que era água, e era doce
agora é (ou sempre foi)
veneno tão ácido.

Foi amor?
Já não sei... Não tem porque
Amor não é assim!

Meu bálsamo agora queima...
e queima tanto...

e o que sobrou eu atearia ao fogo,
e o que sobrou eu exterminaria,
o que sobrou eu esqueço com raiva
e ódio
e cólera

Amor não é assim!
Nada faz sentido,  nunca fará
Nem seus beijos, nem o calor da sua pele
o cheiro dos museus e dos teatros

não faz sentido o se deitar
Tudo é perda
minha alma balançando em um som
minha mente dopada
As músicas, nada

Te amar, amar
Ficar
Nada fez, nunca faz
É assim que a gente vai ficando sozinho
perde pouco a pouco o que nos é prezado.

 O grande amor você perde.

 Os amigos decidem por si, apenas presentes nos momentos que lhe são convenientes.
Você imagina, pequena!, tê-los cativado, confia-lhes tudo
e o carinho se perde no tempo junto com o tropeço que você deu um dia.

 E no meio do luto por tantas coisas, em que nenhum telefonema você recebe
você, agora sim, percebe:
não como pensamos que era ver,
como era ver quando tinhamos o grande amor,
agora ver a verdade, ver de verdade

Ninguém muda por ninguém.
Ninguém faz nada por ninguém.


 "Feliz aniversário!"

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

é quinta-feira,
o sol brilha,
os homens são simpáticos
e as frutas são frescas,
acho que vou ficar por aqui...

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

I had talks for all day.
I speak a lot.
I hear a lot.
Working.

I have been so alone.
Now and then.
I have many friends and a lover.
Again.
None of them.

I'm drowned.
a semana passou e eu não sei como
eu nem vi os dias
o que andei fazendo?
pra não ver
e eu nem vi

quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

Eu mudei?
Quem mudou foi você, superou seus defeitos, suprimiu seus erros e agora vê os meus e eu também.
"Eu digo a verdade, o verdadeiro é ele"
Uma mentirinha. "Você tem perna curta", ria e zombava.
Mentira tem perna curta. Mal sabia o que professava.
Perna curta.
Melissa tem perna curta.
Escrevi seu nome na calçada
Nunca mais passei naquela rua